Páginas

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

PRODUÇÃO DE TEXTO - FINAL DA HISTÓRIA

Produção de Texto

Você já fez, sozinho, uma trilha na mata fechada?
Leia o trecho abaixo, em que o protagonista conta como, depois de conseguir chegar ao pico que queria conquistar, sua volta se complica.

Sentei-me para descansar da conquista do pico. À frente, pedaço da Mata Atlântica, onde conviviam mais de 100 espécies de aves, e macacos, micos,pacas, gambás, capivaras, jaguatiricas, cobras, lagartos, e árvores nobres,
jacarandás, baraúnas, cedros, jequitibás, ipês, perobas...
Num impulso decidi descer: só, moço e temerário. Não levava água,botinas, protetor solar, boné, relógio, roteiro, juízo.
O começo de escorregões e esfoladuras. Na parte mais íngreme, pedras soltas rolando lá para baixo. Logo o mato começou a ficar mais grosso. À esquerda, descida; à direita, descida. Acabou-se a paisagem, mata fechada. E aí? Norte, sul, leste, oeste? O sol é peneirado pela esteira das árvores, não aparece, não dá certezas quanto ao rumo. Voz humana nenhuma, só o silêncio, pios de aves, frufru de asas e o frescor camarada da mata.
(Ivan Angelo. Adaptado de:
http://vejasãopaulo.abril.com.br/revista/vejasp/edicius/2017/m0133756.html)

Imagine que você é o protagonista e continue sua história.
O que teria acontecido a partir daí? Que dificuldades você vai enfrentar?
Como acabará essa história?


RESPOSTAS:


Andei procurando a saída e a cada passo que eu dava mais me perdia. Ouvi sons de bichos sobre a mata como já estava cansada, resolvi parar debaixo de uma árvore imensa para descansar e acabei dormindo algumas horas.
Quando acordei tinha uma cobra venenosa andando em cima de mim, o susto foi tão grande que joguei a cobra para longe e sai correndo. O desespero foi tão grande que acabei caindo, bati a cabeça numa pedra e fiquei inconsciente por alguns minutos.
Os dias passavam e as minhas esperanças foram morrendo até que inesperadamente encontrei um índio que me ofereceu ajuda. Contei o que havia acontecido porem, ele não compreendia o que eu falava, mesmo assim nos comunicamos com gestos. Ele pediu para eu segui-lo e para a minha surpresa, sai da mata.
Agradeci a Deus por ter encontrado ajuda e prometi que nunca mais sairia sem os equipamentos necessários.
Alunos: Charles B. Souza e Chirleide B. Souza
8ª série “C” – Escola Estadual Waldemon



Passaram-se os dias, tinha fome e sede, alimentava-me dos poucos frutos que encontrava.
No quarto dia escutei alguns barulhos, fiquei com medo, pensei que poderia ser algum animal perigoso e resolvi subir na primeira árvore que avistei. Fiquei paralisado só observando, para a minha surpresa era um grupo de pessoas, que provavelmente faziam trilhas.
Resolvi descer da árvore e ir em direção do grupo e contei o que tinha me acontecido. Eles me levaram até o acampamento, entrei em contato com a minha família e aprendi que nunca mais vou agir pelo impulso.
Alunas: Letícia Felix e Cristiane Nunes
8ª série “A” – Escola Estadual Waldemon


Parecia não haver saída, procurei descer por onde achava mais seguro, pois, não havia trilha apenas mato para todos os lados. Encontrei animais de várias espécies, o sofrimento aumentava, me alimentava somente de frutas e água de coco.
A noite era fria e sombria, quase não dormia, pois, a qualquer momento algum animal poderia me atacar. Ao amanhecer o dia sai andando sem direção, encontrei um córrego e resolvi segui-lo. Avistei uma ponte e segui a estrada, depois disso a minha vida mudou para sempre.
Alunos: Ricardo e Aline
8ª série “B” – Escola Estadual Waldemon

2 comentários:

ALine Borges disse...

Prof ficou muito legal seu blog
Obrigada por ter escolhido a nossa história.
Valew Bjos te mais

Anônimo disse...

Ái , esse Bolg me ajudou muito peguei os três textos pra faze o final . ( SARESP )
Valeeu s2

Postar um comentário